OS EXTRAORDINÁRIOS BENEFÍCIOS DO ESCAPULÁRIO DO CARMO

quinta-feira, 26 de junho de 2014


O QUE É O ESCAPULÁRIO DO CARMO

 

 

Uma das devoções mais difundidas é o escapulário do Carmo. Ele consiste em duas peças retangulares de tecido (de lã, como se diz logo a seguir; as imagens que normalmente trazem não são essenciais), unidas por duas fitas ou cordões levados sobre os ombros (‘scapula’, em latim; daí a origem do nome).

 

O tecido do escapulário do Carmo é de lã marrom (a mais comum) ou preta. O seu valor reside precisamente nesse tecido, com a bênção apropriada, não nas imagens. Pode ser lavado, podem-se mudar os cordões, pode ser revestido de plástico para não sujar, etc.: o importante é que o tecido esteja em boas condições.

 

Há fiéis que preferem usar medalhas-escapulários, que duram mais. Isso foi permitido pelo Papa São Pio X, que em 16 de dezembro de 1910 concedeu que o escapulário – uma vez imposto [notar bem: na imposição deve ser usado o de pano] – pudesse ser substituído por uma medalha que tivesse de um lado uma imagem de Nossa Senhora do Carmo e do outro lado, uma imagem do Sagrado Coração de Jesus.

 

 

ORIGENS E BENEFÍCOS DO ESCAPULÁRIO DO CARMO

 

 

O costume de usar o escapulário data da Idade Média. Naquela época, era frequente permitir-se aos leigos ingressarem nas ordens religiosas como ‘oblatos’ ou membros associados. Esses ‘oblatos’ participavam das orações e boas obras dos monges, e era-lhes permitido usar o escapulário monástico. O escapulário era então uma longa peça de pano igual à que se enfia pela cabeça do monge, cobrindo-lhe a frente e as costas, sobre a túnica. Para ficarem mais práticos, os escapulários usados pelos membros leigos das ordens terceiras começaram a diminuir de tamanho, até chegarem às pequenas dimensões dos escapulários de hoje.

 

Nos nossos dias, há um total de dezoito tipos de escapulários difundidos entre os católicos, cada um originado numa ordem religiosa diferente. Mas o mais usado é o escapulário marrom da ordem Carmelita, cuja especial padroeira é a Virgem do Carmo. A popularidade do escapulário marrom é devida, em parte, às graças específicas que estão associadas a ele e prometidas pela própria Virgem Maria nas suas aparições a São Simão Stock e ao Papa João XXII: a garantia de que todo aquele que o usar devotamente não morrerá em pecado mortal, e o privilégio sabatino, que se explica adiante.

 

A visão de São Simão Stock e a graça da perseverança final

 

São Simão Stock nasceu na Inglaterra (provavelmente em Aylesford) por volta do ano 1165; aos 12 anos de idade retirou-se para viver em solidão acompanhado de um crucifixo e de uma imagem de Nossa Senhora. Anos mais tarde, acaba por conhecer um grupo de religiosos eremitas, originários do monte Carmelo (na Terra Santa), que foram para na Europa fugindo da perseguição muçulmana; sentindo-se enormemente atraído por essa vocação, decide juntar-se a eles. Após estudar em Oxford e assumir diversos cargos de direção, é nomeado sexto geral (superior) da ordem do Carmelo, no ano de 1245.

 

Já nesse cargo, via as dificuldades e as perseguições intensas a que seus irmãos estavam sendo sujeitos, tendo a Ordem perdido muitos dos seus membros por isso. Decide recorrer à proteção de Nossa Senhora invocando-a com o título de “Flor do Carmelo”.

 

[...]

 

Nossa Senhora atende a sua súplica e aparece-lhe, rodeada de anjos e segurando o escapulário da ordem. Em seguida, faz-lhe uma promessa: “Isto será um privilégio para ti e para todos os Carmelitas. Quem morrer com este escapulário, não experimentará a pena do fogo eternamente, e, se morrer com ele, será salvo”.

 

Embora a data da aparição seja incerta, situa-se dentro do generalato de São Simão (1245-1265) e é anterior ao dia 13 de janeiro de 1252, em que o Papa Inocêncio IV expediu a bula “Ex parte dilectorum”, em que testemunha a veracidade deste privilégio. Tradicionalmente, acredita-se que ocorreu a 16 de julho de 1251 – que ficou sendo a data da festa de Nossa Senhora do Carmo --, estando o santo em Cambridge.

 

É preciso entender corretamente o conteúdo dessa promessa feita pela Virgem: a perseverança final – isto é, a salvação – para quem morrer usando o escapulário. A graça que Nossa Senhora concede aos que usam o escapulário e morrem com ele é a de se arrependerem de todos os pecados cometidos em vida, já que é uma verdade de fé que só se pode salvar quem estiver em estado de graça na hora da morte.

 

Em suma, para alcançar o privilégio da perseverança final é preciso:

 

1) Usar o escapulário do Carmo, imposto e abençoado devidamente pelo sacerdote.

 

2) Usá-lo piedosamente, ou seja, esforçando-se por cumprir os deveres cristãos.

 

3) Levá-lo posto na hora da morte.

 

A visão de São Simão Stock é uma tradição piedosa e não matéria de fé; não é algo em que devamos crer necessariamente, embora haja bastante evidência histórica apontando para a sua veracidade. Por exemplo, o relato aparece já desde o século XIV em documentos internos da Ordem Carmelitana aprovados pelos papas da época.

 

Além disso, devemos ter presente que muitos papas fomentaram o uso do escapulário do Carmo e lhe concederam indulgências, como devoção grata a Santa Maria que é: ao usá-lo, ficamos sob o seu amparo maternal; e aqueles a quem foi imposto pelo sacerdote participam das missas, orações e boas obras da ordem Carmelitana. Como já dissemos acima, o Papa Inocêncio IV (1243-1254) publicou uma bula em que fala do tema. E um pouco mais tarde, há a bula ‘Sacratissimo ut culmine’ (março de 1322), do Papa João XXII, em que o Pontífice não apenas recomenda vivamente o escapulário como relata uma aparição da Virgem para si.

 

 

O Papa João XXII e o privilégio sabatino

 

 

Conta-se que o Papa João XXII teve uma visão de Nossa Senhora a 3 de março de 1322. Nela, Nossa Senhora teria prometido a libertação do purgatório, no primeiro sábado após a morte, a todo aquele que cumprir as seguintes condições:

 

1) Usar o escapulário do Carmo, imposto e abençoado devidamente pelo sacerdote;

 

2) Usá-lo piedosamente, ou seja, esforçar-se por cumprir os deveres cristãos;

 

3) Levá-lo posto na hora da morte;

 

4) Observar o sexto e o nono mandamentos de acordo com o seu estado de vida, isto é, não pecar contra a castidade e não cometer adultério;

 

5) Recitar o Pequeno Ofício de Nossa Senhora, ou, se iletrado, jejuar quando manda a Igreja e também abster-se de carne nas quartas-feiras e nos sábados. A recitação do Pequeno Ofício pode ser comutada por um padre que tenha faculdade para tal; geralmente é substituída pela recitação de uma parte do santo rosário diariamente. Aqueles – sacerdotes em sua maioria – que já recitam o Ofício Comum de Nossa Senhora também satisfazem a condição.

 

 

Indulgências plenárias associadas ao uso do escapulário

 

 

Além dos dois privilégios especialíssimos do escapulário, a Igreja concede indulgência plenária nas datas que se indicam a seguir àqueles fiéis que cumprirem as condições habituais para tanto (Confissão Sacramental, Comunhão Eucarística e a oração em intenção do Sumo Pontífice em dias próximos a essas datas):

 

1. No dia da imposição do escapulário;

2. Na solenidade de Nossa Senhora do Carmo (16 de julho);

3. Na festa de São Simão Stock (16 de maio);

4. Na festa de Santo Elias, profeta (20 de julho);

5. Na festa de Santa Teresa de Jesus (15 de outubro);

6. Na festa de São João da Cruz (14 de dezembro);

7. Na festa de Santa Teresa do Menino Jesus (1 de outubro);

8. Na festa de todos os santos da ordem do Carmo (14 de novembro).

 

 

 

(“O escapulário do Carmo”. Cultor de Livros)

Compartilhe este artigo, evangelize! :

0 comentários:

Deixe seu comentario

O que você achou do artigo... !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Support : | |
Copyright © 2011. Nossa Senhora de Medjugorje - All Rights Reserved
Template Created by Nossa Senhora de Medjugorje, Aparições de Nossa Senhora
Proudly powered by