NOSSOS PAIS FRACASSARAM

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014


Há exatos trinta e nove anos na Igreja Evangélica de Confissão Luterana da Rua Dona Salvadora, meus pais, Rosa e Paulo, em cerimônia ecumênica, prometiam um ao outro e a Deus amar-se mutuamente enquanto a morte não se atrevesse a meter-se de permeio. Causa-me pena não ter estado presente a tão relevante acontecimento familiar, e que tanto me dizia respeito, mas é que eu ainda não havia sido aquinhoado com o dom da existência.
 
Talvez naquele mesmo primeiro de fevereiro, ou poucos dias depois, minhas duas antigas metades microscópicas, que separadas ainda não eram eu, acabaram encontrando-se e fundindo-se como duas almas gêmeas. E eu comecei.
 
Não vou revelar à indiscrição do leitor os motivos pelos quais aquele juramento não surtiu todo o efeito que o cimento da indissolubilidade devia ter produzido (um padre católico concelebrou). Fato é, porém, que graças a um decreto de superior instância estou aqui, pois aquele acidental cruzamento de destinos resultou na feliz consequência, pelo menos para mim, do meu chamamento ao mundo. A inexistência, imagino, deve conter uma estranha monotonia...

 
Bendito erro, imprudência proverbial! Parece que sucessivos equívocos encaixaram-se e moveram algum tipo de engrenagem de causalidades. Foi a força de uma decisão mal tomada que me permitiu estar aqui hoje, leitor, dirigindo-lhe algumas palavras. Não gostaria que fossem apagados meus anos já vividos. Por isso, repito: abençoada sucessão de equívocos que me permitiu ter os próprios!
 
Mas, o meu ato de louvor à vida, de gratidão por ser, não me impede de reconhecer que nossos pais falharam. Sim, nossos pais, e não somente os meus. Olhemos juntos para as nossas famílias.
 
A Belo Horizonte de hoje não é a mesma de trinta anos atrás. Suponho que o mesmo se dê com quase todas as cidades brasileiras. Algum estranho vírus atingiu nossos pais e carcomeu nossos tios. Misturaram alguma coisa a nossos entes queridos (ou aos laços que os uniam). Até nossos avós aquela saborosa bebida de festa, o convívio familiar, era substanciosa, energética, tonificante, uma vitamina. Nossos avós derreteram, dissolveram-se nossos tios como papel exposto à chuva. Alguém misturou meus avós com água, e com ácido os do vizinho. Meus pais são meus avós diluídos.
 
Houve uma mutação cromossômica, uma alteração de moléculas na composição dos vínculos.
 
O meu maior temor é que este processo químico continue acontecendo. Que algum nefasto elemento continue sendo adicionado à fórmula das famílias. Temo que esta adulteração não se tenha interrompido nos responsáveis pelo nosso aparecimento. Não duvido que entre meus pais e eu mais água ou ácido tenham sido vertidos. Que será de meus netos? Que será de meus filhos?
 
Paul Medeiros Krause
Procurador do Banco Central em Belo Horizonte
Compartilhe este artigo, evangelize! :

0 comentários:

Deixe seu comentario

O que você achou do artigo... !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Support : | |
Copyright © 2011. Nossa Senhora de Medjugorje - All Rights Reserved
Template Created by Nossa Senhora de Medjugorje, Aparições de Nossa Senhora
Proudly powered by