O Brasil é 'gay'?

quarta-feira, 10 de abril de 2013


 

 
 
Quando da renúncia do Papa Bento XVI, alguns jornalistas espertinhos, com ar de superioridade, aproveitaram a ocasião para menoscabar dogmas católicos, sobretudo o da infalibilidade papal. A incompetência da maior parte deles revelou-se de uma forma tão gritante que eu chamaria até de apocalíptica. Muitos nem se deram ao cuidado de abrir o Código de Direito Canônico ou algum documento oficial da Igreja. Luís Fernando Veríssimo, por exemplo, em tom de galhofa, chegou a perguntar-se se o Papa Bento XVI continuaria infalível após ter renunciado. Na ocasião, cheguei a escrever ao “Fórum dos Leitores” do Estadão, advertindo o articulista de que a infalibilidade papal só existe quando o pontífice se pronuncia ex cathedra. 

Causa espécie, então, que o que a imprensa recusa a Roma atribua a si própria, numa escala muito maior. Ela, a imprensa, sem ser especialista no assunto, ao contrário do Papa nas matérias que lhe dizem respeito, pronunciou-se ex cathedra, definindo um novo dogma de fé: “o homossexualismo é bom, é moral, é natural, e quem se opõe a ele viola os direitos humanos”.

Muitos jornalistas ostentam indisfarçável prazer ao dar uma estocada na Igreja no tema Inquisição. Mas não estamos vivendo uma nova inquisição, muitos séculos após o fim da Idade Média, nós que somos tão avançados? Quem não percebe que diversos veículos de comunicação resolveram promover o linchamento moral de Marco Feliciano? Tais veículos ficam esmiuçando a vida do sujeito, a fim de encontrar algum piolho, alguma lêndea, um arroto que o comprometa. Até vigiar o que o pastor anda pregando em cerimônias religiosas estão fazendo. Resolveram fazer o controle de conteúdo do sermão. Entram no templo, espionam e filmam o pregador. É mole?!

Ora, no sermão, o pastor pode apresentar a sua visão espiritual da realidade e não cabe à imprensa dar pitaco. Preocupados com o controle de qualidade das prédicas, os jornais esqueceram-se do controle de qualidade do jornalismo. Deveriam eles olhar para o próprio umbigo. Aos olhos da grande maioria dos jornalistas, excetuados alguns poucos sensatos, Marco Feliciano é um herege, um boca maldita. Merece a fogueira da perda do mandato. Parte-se já de uma pressuposta violação inconcebível de verdade de fé, que, diga-se de passagem, é verdade de fé para eles, jornalistas e artistas “mente aberta”, não para nós. E o pior: o julgamento é sumário, cruel, covarde, por tribunal de exceção (não é realizado pela autoridade competente) e sem direito de defesa.

Jornalistas e artistas arvoraram-se em censores da opinião pública e do próprio Legislativo.

A questão é de fé, meu amigo. Na verdade, ninguém está preocupado com as lêndeas de Marco Feliciano. Afinal, por que os meios de comunicação não pegam no pé de José Genoíno e João Paulo Cunha, condenados no processo do mensalão e membros da Comissão de Constituição e Justiça? São eles impolutos? Não, mas eles não chegaram a violar a fé. A questão é essa, leitor. O problema é que Marco Feliciano, de forma mais ou menos habilidosa, atreveu-se a contestar o dogma. Desestabilizou verdades confortáveis. Ele é um anátema. Uma ameaça ao catecismo dos tabloides. Um herege. Cometeu crime de lesa-majestade ou lesa-verdade das minorias. O problema é de ortodoxia.

Estou preocupado com o assunto porque alguns setores da sociedade estão querendo ganhar no grito, com total vilipêndio das instituições democráticas. Por que motivo um pastor evangélico não pode presidir a Comissão de Direitos Humanos e de Minorias da Câmara? É pecado? É pecado ser contrário ao homossexualismo? E qual é a pena: excomunhão? Ou, ao contrário, não estará o pastor sendo vítima de preconceito, por motivo de crença religiosa? A meu ver, o deputado é que está sendo vítima de crime.

O que grande parte da imprensa e alguns setores da sociedade estão dizendo é que só representantes dos movimentos LGBT podem presidir a citada comissão. Mas, com que fundamento? Com que argumento legal? O que confere aos movimentos gays esse privilégio de detentores do monopólio da verdade, de prefeitos da congregação da doutrina da fé, de paladinos dos direitos humanos (eu sempre havia pensado que direitos humanos são para todos os homens, não para determinados grupos de seres humanos)? Ah!... É que os meios de comunicação e os defensores das minorias pronunciaram-se ex cathedra. É mesmo?! Mas não dizem que o Brasil é um estado laico? Por que eu devo recusar um dogma papal e aceitar um dogma jornalístico? Por que eu devo ceder ao catecismo dos artistas beijoqueiros?

Ninguém é obrigado a acreditar em dogmas propalados por quem quer que seja. Os únicos dogmas a que estamos vinculados são jurídicos, constitucionais: o do respeito às instituições democráticas e o do estado de direito. As comissões da Câmara não são um brinquedinho que crianças birrentas conquistam no grito.

Quando se lê jornal ou se vê televisão, a impressão que se tem é que todo o Brasil é gay. Parece que o homossexualismo é o supervalor fundante da nação. Alguns artistas estão emburrados. Que dó! Mas, deixe-me dizer-lhes, leitor: o Brasil não é gay, meus senhores! O Brasil é cristão, queiram ou não, e os cristãos merecem respeito. Eu me sinto representado por Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos. A maior parte da população sente-se representada por ele, não por Daniela Mercury. Os artistas e a imprensa não têm de nos ensinar o que fazer. Eles têm de baixar a bola. Ficar na miúda, como se diz. Não somos incapazes, interditados, menores impúberes. A imprensa não manda no Brasil. Não controla o Legislativo; quem o controla é o povo! Não precisamos da tutela dos artistas. Temos nossa própria opinião. Evangélico também tem direitos políticos.

Para terminar, quero dizer uma coisa, quase como se fosse um sussurro ao pé do ouvido. Posso estar mal informado ou sendo muito exigente, mas gostaria de ter ouvido alguma palavra da CNBB sobre esse assunto. Além disso, será que alguns de nós não estamos sendo omissos, vendo cristãos serem alijados da vida pública? Seremos coniventes com essa caça às bruxas, com uma congregação para a doutrina da fé LGBT na Câmara? Espero que o cristianismo não seja expulso do Congresso. Senhores artistas, não por acaso, Cristo foi traído com um beijo.

 

Paul Medeiros Krause

Procurador do Banco Central em Belo Horizonte
Compartilhe este artigo, evangelize! :

2 comentários:

  1. Show de bola o artigo sobre: "O Brasil é gay?", cujo autor merece todo o nosso respeito. Lamentavelmente, estamos vivendo numa ditadura da minoria (homossexuais) em detrimento da maioria do povo brasileiro (hetero). Até qdo a cúpula da Igreja no Brasil (leia-se: CNBB) ficará omissa nessa matéria? Como nos alertou o próprio Cristo: "Se vocês se calarem, as pedras falarão". E, realmente, as pedras estão falando na pessoa do Exmo. Sr. Deputado Federal Feliciano, dentre outros. Parabéns, Sr. Paul pelo excelente artigo, digno de um grande articulista cristão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, caríssimo amigo, pelos seus generosos comentários! Paul.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Support : | |
Copyright © 2011. Nossa Senhora de Medjugorje - All Rights Reserved
Template Created by Nossa Senhora de Medjugorje, Aparições de Nossa Senhora
Proudly powered by